Experiência e Expertise:
É disso que sua empresa precisa na hora de se comunicar bem com o mercado.

  • Fornecimento de Conteúdo Editorial
  • Desenvolvimento de Projetos
  • Pesquisa de Mercado
  • Material Impresso
  • Campanhas Publicitárias
  • Criação de Identidade Visual

Pandemia derruba vendas para o pior março em 14 anos

Nas duas últimas semanas do mês o volume de emplacamentos caiu a menos de 800 carros em alguns dias

Nas duas últimas semanas do mês o volume de emplacamentos caiu a menos de 800 carros em alguns dias

 

A pandemia de coronavírus e as medidas de isolamento social fizeram estrago considerável nas vendas de carros nas últimas duas semanas de março. Embora a quarentena de boa parte da população tenha sido iniciada somente na segunda quinzena, a queda no volume de emplacamentos foi tão avassaladora que fez do mês o pior março dos últimos 14 anos. Foram emplacados apenas 155.771 automóveis e comerciais leves, contra os 148 mil no mesmo mês de 2006. Os dados foram antecipados na quarta-feira, 1º, pelo jornalista Joel Leite, da agência Autoinforme.

Março registrou queda de 19,1% em relação a fevereiro (192.639) e de 21,9% sobre março do ano passado (199.549). O resultado, já bastante ruim, só não foi pior porque a primeira quinzena, não atingida pelo vírus, teve desempenho excepcional, com emplacamento de 10,2 mil carros por dia útil, em média. Uma vez iniciada a quarentena, as vendas despencaram (veja gráfico abaixo). No dia 23, uma segunda-feira, foram vendidos minguados 1.242 carros e no dia seguinte pouco mais de 700.

Após o início da quarentena e fechamento de estabelecimentos comerciais considerados não essenciais na maioria das grandes cidades brasileiras, algumas montadoras e concessionárias iniciaram uma operação de venda delivery, mandando os vendedores à casa do cliente com o carro solicitado. O sistema permite que o cliente faça o test drive e discuta as condições de compra com o vendedor, fechando o negócio na hora. Mas a estratégia não alterou o panorama de profunda retração da economia.

A semana seguiu em ritmo lento, quase parando: foram registrados apenas 763 licenciamentos no dia 25, 1.389 no dia 26 e 1.335 no dia 27. Na última segunda feira, 30, foram vendidos 843 carros e na terça, 31, 1.813. Do dia 24 para cá foram 6.866 unidades no total, com média diária irrisória de menos de mil carros (981 unidades).

O volume de compras de veículos no varejo, nas concessionárias, caiu a quase zero na última semana. Grande parte dos licenciamentos nesse período de quarentena vem de vendas diretas e registros de negociações feitas antes do agravamento da crise.

ANO DE QUEDA EXTREMA

Com as vendas fechadas de março, o total de veículos leves vendidos nos primeiros três meses do ano somou 532,5 mil unidades, número que já representa importante retração de 8,2% sobre o mesmo período de 2019, quando foram registrados 580 mil emplacamentos.

Como a expectativa é de que abril seja um mês ainda pior e maio não muito melhor, o tombo anual do mercado brasileiro deve se aprofundar bastante nos próximos meses. Será difícil recuperar as vendas perdidas no período e para o ano todo a retração prevista é grande, tanto pela baixa demanda como pela dificuldade esperada para aprovar financiamentos. Alguns consultores indicam perda de 15% neste momento, mas o resultado das últimas duas semanas de março apontam cenário muito pior, com tombo que pode chegar a mais de 40% em 2020 comparado a 2019.

RANKING DAS MARCAS INALTERADO

A posição das marcas de automóveis e comerciais leves no ranking não teve mudanças importantes em março. Seguem GM (25.501 unidades) na liderança, seguida por Volkswagen (24.957) e Fiat, com 23.701. Em seguida, Ford em quarto e Hyundai em quinto lugar (veja abaixo o ranking das 30 marcas mais vendidas em março/2020).

RankingMar2020

Fonte: Automotive Business

01/04/2020

Compartilhe...Email this to someoneShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPrint this page