Experiência e Expertise:
É disso que sua empresa precisa na hora de se comunicar bem com o mercado.

  • Fornecimento de Conteúdo Editorial
  • Desenvolvimento de Projetos
  • Pesquisa de Mercado
  • Material Impresso
  • Campanhas Publicitárias
  • Criação de Identidade Visual

PIB de 2019 deve fechar acima de 1%, diz Caio Megale

Segundo o representante do Ministério da Economia, apesar das incertezas políticas globais, o Brasil costuma ter um ciclo desconectado do mundo Foto: valor

Segundo o representante do Ministério da Economia, apesar das incertezas políticas globais, o Brasil costuma ter um ciclo desconectado do mundo
Foto: valor

 

O Produto Interno Bruto (PIB) de 2019 “está com cara de que vai fechar acima de 1%”, afirmou nesta segunda-feira Caio Megale, chefe da assessoria especial de relações institucionais do Ministério da Economia.

Segundo ele, com estímulos de curto prazo, como a queda de juros e as mudanças no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), aliados a estratégias de longo prazo, como a reforma da Previdência, “os sinais de recuperação estão aparecendo”.

“Os índices de confiança estão voltando, a produção industrial dá sinais de melhora, as vendas no varejo também se recuperam, o mercado de crédito privado está crescendo a dois dígitos”, ele exemplifica.

“Os sinais da Black Friday foram alvissareiros, e a expectativa para o Natal é muito boa”, acrescenta. Reportagem do Valor desta segunda-feira mostra que as vendas durante a ação promocional ficaram acima das expectativas de grandes varejistas.

Para 2020, “podemos ter um crescimento acima de 2%”, disse Megale. Projeção do mercado divulgada nesta segunda-feira pelo Banco Central indica uma expectativa de avanço de 2,22% no próximo ano. Para este ano, a previsão é de um crescimento de 1%.

Um termômetro do ritmo da recuperação da economia será apresentado amanhã, com a divulgação oficial do PIB do terceiro trimestre. Estimativa mediana de 35 consultorias e instituições financeiras ouvidas pelo Valor Data aponta que o PIB subiu 0,4% no terceiro trimestre, ante os três meses anteriores.

Megale ponderou que sinais positivos se intercalam com outros piores. “Hoje de manhã tivemos mais um vindo dos Estados Unidos, uma sinalização com relação a tarifas comerciais. Temos incertezas políticas em alguns países da nossa região”, disse em referência ao anúncio de que os EUA vão reinstaurar tarifas sobre aço e alumínio do Brasil e da Argentina.

“Mas o Brasil vai prosperar, o Brasil tem um ciclo econômico muitas vezes desconectado do ciclo econômico mundial.”

Sobre reformas estruturais, Megale disse que a administrativa pode ser enviada no fim deste ano ou no início do próximo, bem como a proposta de reforma tributária do governo, que prevê a unificação de impostos federais.

“O primeiro passo é a criação do IVA [Imposto sobre Valor Agregado] federal, que seja acoplável a essa reforma mais ampla [a Proposta de Emenda à Constituição 45, que inclui ICMS e ISS no IVA]. A estratégia vai ser a estratégia da sociedade, ou uma transformação mais radical no curto prazo, mas com mais riscos, ou uma transformação mais gradual, afinal o problema é complexo, são muitos impostos, o país é muito diversificado, não necessariamente vamos conseguir fazer tudo de uma vez”, afirmou.

Fonte: Valor

02/12/2019

Compartilhe...Email this to someoneShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPrint this page