Experiência e Expertise:
É disso que sua empresa precisa na hora de se comunicar bem com o mercado.

  • Fornecimento de Conteúdo Editorial
  • Desenvolvimento de Projetos
  • Pesquisa de Mercado
  • Material Impresso
  • Campanhas Publicitárias
  • Criação de Identidade Visual

SIMEFRE apresenta resultados da indústria ferroviária em 2020 e previsões para 2021

logo simefre

Na manhã desta segunda-feira, 14, durante o evento anual do Sindicato Interestadual de Materiais e Equipamentos Ferroviários e Rodoviários (SIMEFRE), o vice-presidente do SIMEFRE, Massimo Giavina, e Vicente Abate, diretor, divulgaram os resultados do setor ferroviário de cargas e passageiros. Vicente Abate e Massimo Giavina também representam a Associação Brasileira da Indústria Ferroviária (ABIFER) sendo, respectivamente, o presidente e conselheiro da entidade.

A indústria continuou em 2020, desde 2019, com uma dramática ociosidade, que agora retrocedeu a quase 90%. A indústria de vagões de carga melhorou seu desempenho, com entregas previstas de 1.800 unidades em 2020, contra uma previsão de 2.000 vagões. Com isso, recuperou-se em relação a 2019, quando foram entregues apenas 1.006 vagões.

As entregas de locomotivas tiveram um desempenho menor e fecharão 2020 com apenas 29 unidades, contra uma previsão de 40 locomotivas, e menor ainda que em 2019, quando foram entregues 34 unidades.

“Apesar do desempenho melhor em vagões, mas não em locomotivas, os volumes estão longe dos níveis históricos que, espera-se, serão resgatados na medida em que os programas das renovações antecipadas tragam efetivamente mais negócios ao setor. A indústria ainda enfrenta grandes oscilações nos volumes de fabricação, com reflexos negativos na mão de obra direta, porém espera que as concessionárias de carga ofereçam previsibilidade e maiores volumes a partir de 2021”, enfatizou Abate.

Na área de passageiros, a indústria completaria sete anos sem qualquer encomenda no mercado doméstico, não fosse a retomada da construção da Linha 6 do Metrô de São Paulo, em que o novo consórcio confirmou a aquisição de trens da indústria brasileira.

Em 2020 foram entregues apenas 72 carros de passageiros, contra uma previsão de 131 unidades. Para 2021, o volume será ainda menor, com 43 carros, sendo 40 para exportação.

“Este mercado se recuperará a partir de 2022, com as exportações já fechadas para os Metrôs de Taipei e Bucareste e das entregas dos carros para a Linha 6 da Acciona, além das previsões de aquisição de veículos para as Linhas 8 e 9 da CPTM e para a Linha 2 do Metrô SP. Outras oportunidades esperadas são o People Mover, que ligará a Linha 13 aos três terminais do Aeroporto de Guarulhos, o Trem InterCidades (TIC) São Paulo a Campinas e o VLT da W3 em Brasília”, revelou Giavina.

Além dos resultados da indústria ferroviária, o evento virtual apresentou os resultados dos setores ônibus, implementos rodoviários e duas rodas – bicicleta, motocicleta, partes e peças.

Para assistir ao conteúdo completo do encontro acesse o link abaixo:

https://www.youtube.com/watch?v=6g1DlNDtvdk&ab_channel=SIMEFRE

Fonte: SIMEFRE

14/12/2020

Compartilhe...Email this to someoneShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPrint this page